links favoritos

 

 

vamos falar com... A Micro CERVEJARIA BAMBERG

A Micro Cervejaria Bamberg tomou forma no ano de 2006, apesar da ideia de criar uma cervejaria já estivesse na mente dos sócio-fundadores há alguns anos. A zona escolhida para instalação da companhia foi Votorantim, um município do estado de S. Paulo com cerca de 105 mil habitantes.

As cervejas da Bamberg destacam-se pela elevada qualidade e pela utilização exclusiva de malte, lúpulo, água e levedura. A entrevista foi-nos concedida por Alexandre Bazzo, a quem desde já agradeço a disponibilidade demonstrada. Nas suas respostas, podemos perceber o carinho e atenção que esta companhia dedicada à produção de cada uma das suas cervejas, apesar da difícil legislação existente para o sector, que teima em colocar no mesmo saco pequenas empresas e grandes conglomerados industriais.

CervejasDoMundo (CdM) - Pode-nos contar como surgiu a ideia de criar uma cervejaria e os passos que tiveram que percorrer para concretizar esse sonho?

Micro Cervejaria Bamberg - A idéia começou mais ou menos a uns 10 anos atrás. Eu sou Engenheiro de Alimentos, meu irmão Thiago é Eng. De Produção e Lucas é veterinário; nós gostamos muito de cerveja e na época estávamos começando a conhecer as microcervejarias e os diferentes estilos de cervejas. Com o tempo fomos estudando e nos especializando em microcervejarias. Notámos que o mercado estava receptivo para o negócio e daí para frente foi só por em prática um planejamento de cinco anos que nós haviamos feito; contamos muito com a ajuda da família e das esposas.

CdM - Bamberg é uma bonita cidade da Alemanha, com fortes tradições no fabrico de cerveja. Foi essa a maior influência para a escolha do vosso nome ou existem outras origens?

Bamberg - Nós temos consciência de que o nome de nossa cervejaria nos dá uma grande responsabilidade no produto em que produzimos. Sem dúvida o nome Bamberg foi escolhido devido à grande variedade de cervejas que as cervejarias de lá fazem e também a excelente qualidade dos produtos lá produzidos; por isso não é coerente uma cervejaria com  o nome Bamberg produzir uma cerveja sem qualidade.

CdM - A instalação de uma cervejaria, mesmo que pequena, não é uma tarefa fácil. Foi difícil escolher a cidade onde se iriam localizar, comprar equipamentos e adquirir as matérias-primas necessárias?

Bamberg - Justamente por ser pequena acaba se tornando muito difícil, pois nós nos deparamos com poucas opções de fornecedores, sem contar com a lentidão dos órgãos responsáveis em nos fornecer as licenças.

CdM - Actualmente elaboram cervejas do tipo pilsen, alt, weissbier e munich. Penso que também já trabalharam numa kolsch... e que mais? Estão a prever lançar novos estilos?

Bamberg -  Atualmente produzimos os seguintes estilos de cervejas:

Pilsen - É elaborada de acordo com a Lei de Pureza da Baviera. Seus ingredientes, portanto, são água, malte lúpulo e fermento. Possui uma cor dourada e o frescor do lúpulo, uma espuma consistente, aroma e corpo característicos de cervejas de puro malte. É uma cerveja única, pois equilibra perfeitamente seus componentes, sem deixar que nenhum se sobreponha aos outros.
Harmoniza com vários tipos de pratos leves e de sabor suave. Recomenda-se que não acompanhe pratos muito gordurosos ou com temperos fortes, muito sal, apimentados ou defumados.
Temperatura ideal de servir 2°C.

Bamberg Natural - Também é feita seguindo a de Pureza da Baviera, contendo seus ingredientes básicos: água, malte, lúpulo e fermento. Porém, esta cerveja tem como resultado a cor amarelo-clara, aroma de malte e leve toque frutado proveniente da levedura. É uma cerveja encorpada, de espuma consistente. Por não ser filtrada, uma de suas principais características é a aparência opaca.
Combina com vários pratos, seguindo a mesma recomendação da cerveja Pilsen, ou seja, evitando que acompanhe comidas gordurosas ou com temperos fortes.
Temperatura ideal de servir 2°C.

Bamberg Munchen - Para manter sua originalidade, os ingredientes dessa cerveja são importados da região de Munique, na Alemanha. Também é produzida pelos princípios da Lei de Pureza da Baviera. Possui uma cor marrom avermelhada e um aroma marcante de malte combinado com o frescor do lúpulo. Além da espuma consistente, possui um sabor marcante de malte equilibrado pelo frescor do lúpulo.
Harmoniza com pratos mais elaborados e aromáticos à base de carne bovina, suína ou frango. Porém, pratos de sabor muito forte, com muita pimenta, sal ou temperos podem mascarar seu aroma e sabor.
Temperatura ideal de servir 4°C.

Bamberg Bock - Esta cerveja nasceu na cidade de Einbeck, norte da Alemanha. Sua cor é avermelhada e traz o gosto marcante do malte com um leve toque de herbáceo proveniente do lúpulo. Seu teor alcoólico mais elevado é ideal para esquentar as noites do inverno, acompanhando pratos quentes e encorporados, como fondue, carnes bovina ou suína ou pratos típicos da culinária alemã. Está disponível apenas nos meses de junho ou julho.
Temperatura ideal de servir 8°C.

Bamberg Alt Bier - Criada na cidade alemã de Dusseldorf é uma cerveja marrom avermelhada, de alta fermentação, possuindo um aroma característico que se origina desse processo, ao bebê-la percebe-se um grande complexidade de sabores.
Com uma lupulagem acentuada, é ideal para ser consumida no outono ou inverno junto a pratos mais temperados e fortes, como salsichas alemãs, embutidos, carnes vermelhas, cordeiros, entre outros. Encontra-se disponível apenas nos meses de maio, junho, julho e agosto.
Temperatura ideal de servir 6 à 8°C.

Bamberg tipo Kölsch - É tradicional da cidade de Colônia, na Alemanha. É uma cerveja de alta fermentação, coloração dourada e aroma frutado combinado com lúpulo, ideal para ser consumida em épocas do ano em que a temperatura está em elevação, como a primavera. Harmoniza com uma grande variedade de pratos, massa, saladas, carne suína, aves e peixes. Disponível sempre no início da primavera, em setembro até o mês de novembro.
Temperatura ideal de servir 6°C.

Bamberg Weizen - Na Baviera ela é bebida por volta das 10 horas da manhã, devido a sua leveza e seu poder nutritivo, mas o bom mesmo é degustá-la o dia todo. Possui cor alaranjada e gosto cítrico refrescante misturado a um sabor de cravo e banana. O resultado é aroma e sabor com uma complexidade sem igual. Ao bebê-la a boca é preenchida por sua cremosidade seguida pelas nuances de banana e cravo provenientes do processo de fermentação, terminando com o frescor que só uma cerveja de trigo tem. Sua espuma é muito consistente. É uma cerveja ideal para o clima quente do Brasil.
Harmoniza com pratos leves como, por exemplo, os que se encontram na cozinha japonesa, peixes, saladas e frutos do mar.
Temperatura ideal de servir 4°C.

Bamberg Schwarzbier - É uma cerveja preta tradicional da região de Thuringen e da Franconia, na Alemanha. Tem aroma e sabor de café e chocolate provenientes do malte. O lúpulo não tem predominância nesta cerveja; porém possui uma discreta nota de lúpulos nobres do sul da Alemanha. Apesar de ser uma cerveja preta ela é relativamente leve e fácil de beber podendo ser consumida em qualquer época do ano.
Harmoniza com pratos elaborados à base de carnes, frangos, porcos ou cordeiros; também pode ser consumida após as refeições substituindo o tradicional cafezinho.

CdM - Sendo Bamberg uma cidade reconhecida pelas suas Rauchbier, será possível degustarmos um dia uma Bamberg Smoked?

Bamberg - Esse dia está muito próximo, nós estamos preparando uma surpresa.

CdM - A vossa participação no Brasil Brau 2007 foi muito louvada. Qual a importância de um evento destes para uma microcervejaria como a vossa?

Bamberg - Não existe forma melhor de você convencer alguém que seu produto é bom do que a degustação. Neste evento muitas pessoas degustaram nossos chopes e o retorno foi muito legal. Eu acho que a feira apresentou ao mercado as boas novidades vindas das microcervejarias: quem não conhecia pôde tomar consciência que existe um mundo melhor do que as cervejas “comerciais”, claras, aguadas, sem personalidade.

CdM - Li num artigo que vocês fizeram um chopp de banana que apresentaram na Brasil Brau. Todavia, esse aroma era transmitido pela levedura ao invés do que, por exemplo, acontece numa lambic belga, onde existe mesmo a presença de fruta no processo de elaboração. Como tem sido a aceitação dos consumidores?

Bamberg - Na verdade esse artigo estava errado pois o produto a que ele se referia é a nossa Weizen, onde uma de suas características é o aroma de cravo e banana, provenientes de uma seleção adequada da cepa de fermento. Portanto, NÃO adicionamos nenhuma substância: é o próprio fermento que confere este aroma e sabor comum à grande maioria das Weizen Bier da região da Bavária. Quanto à aceitação é excelente.

CdM - Tem sido complicado explicar ao consumidor que é natural existirem cervejas turvas (como acontece numa weiss), ou cervejas com aspectos e sabores diferentes do que a típica pilsen?

Bamberg - Eu acho que é um “trabalho de formiguinha”: você tem que ir consciencializando cada um que vem nos visitar. Este trabalho de divulgação da cultura cervejeira que você e outros como o Roberto Fonseca e o Edu Passareli, só para citar alguns, vem realizando é muito importante para nós cervejeiros, pois a velocidade da divulgação começa aumentar.

CdM - Para você, a Reinheitsgebot é uma lei definitiva e a ser sempre seguida ou serve apenas de guia geral e o resto fica por conta da imaginação do cervejeiro?

Bamberg - Tudo depende da denominação que você dá a sua cerveja: se você faz cervejas alemãs é imprescindível que você siga a lei. Porém, algumas cervejas belgas e inglesas usam cereais não malteados ou açúcares na formulação e são boas também. Quando você denomina sua cerveja de Weizen (Weiss), Helles, Rauch Bier, etc., existem parâmetros que esta cerveja deve ter para que ela possa ter esse nome. Agora se você faz uma Weizen com 50% de trigo sem ser malteado, por exemplo, você pode chamar ela de qualquer coisa menos de Weizen Bier. Aqui na Cervejaria Bamberg nós fazemos cervejas apenas com água, malte, lúpulo e fermento, seguindo a lei de pureza.

CdM - Em que locais/cidades é já possível degustar uma Bamberg? Essa área de distribuição é para alargar no futuro?

Bamberg - Hoje você pode encontrar nossos produtos em Sorocaba (e numa região de 50km de raio), Votorantim, Piedade, Grande São Paulo e em breve esta abrangência irá crescer, pois estamos começando a engarrafar.

CdM - O mercado brasileiro de cervejas está em constante mutação, com aquisições, fusões, aparecimento de novas cervejas e empresas produtoras. Num mercado tão competitivo, qual o segredo para uma empresa se manter viva e admirada pelos consumidores?

Bamberg - O mercado nacional esta saturado de cervejas baratas e de baixa qualidade, por isso a competitividade acaba sendo muito forte. No nicho de mercado que nós exploramos ainda dá para conviver em paz com a “concorrência”, às vezes até trocando algumas informações sobre processo, equipamentos, matérias-primas, etc.

CdM - A vossa microcervejaria tem uma forte ligação à Weyermann, uma das companhias mais conceituadas do mundo no que diz respeito a maltes. Como se estabeleceu essa relação e qual a importância dela para a Bamberg?

Bamberg - A principio seria legal utilizar um malte vindo da cidade de Bamberg; depois que começamos a utilizá-los, vimos na prática a excelente qualidade do malte. Depois fui conhecer a maltaria e quando você se aprofunda na empresa Weyermann e nas pessoas que trabalham lá, você consegue entender o porquê uma empresa centenária continua crescendo e fazendo o sucesso que eles fazem. Hoje sou fã deles e para mim cada vez que sou recebido lá é uma grande honra.

CdM - Quais os argumentos que utilizaria para convencer um consumidor a comprar uma cerveja artesanal em vez de uma industrial?

Bamberg - A princípio, nem toda cerveja artesanal é de boa qualidade. Esta palavra artesanal vem sendo muito utilizada como ferramenta de marketing, mas de regra geral elas são sempre melhores que as indústrias. Se uma cervejaria artesanal trabalhar de forma correta, você irá beber um produto sem adjuntos, sem antioxidante, sem adição de enzimas, respeitando um tempo de maturação e com isso tendo uma espuma consistente (sem a adição de melhoradores de espuma). São cervejas que você sente gosto e não é como se fosse uma água gelada gaseificada. Mas eu acho que o mais importante é o respeito que nós artesanais temos com quem está bebendo o produto; nós não tentamos empurrar “guela abaixo” um produto através da mídia.

CdM - Existem outras marcas que você admire e as quais não se importaria de consumir caso não tivesse uma Bamberg por perto?

Bamberg - Às vezes fico fã de uma marca pela história que ela já construiu ou por eu ter visitado a fábrica e conhecido o trabalho dela. Dentre elas posso citar: Hofbrau (Munique), Guinness, Pilsener Urquell, Brauerei Fassla (Bamberg), Brauerei Spezial (Bamberg), Schlenkerla (Bamberg), Abbey du Val-Dieu (Aubel, Bélgica), Uerige (Dusseldorf), Hellers Brauhaus (Colônia). Porém, a maioria eu só consigo tomar quando trago na mala, o que é uma pena.

CdM - Das cervejas que vocês produziram, qual aquela que deu mais trabalho e aquela que você mais apreciou?

Bamberg - A cerveja Weizen e a Alt Bier são cervejas naturalmente difíceis de se fazer devido ao seu processo e aos aromas e sabores que elas devem ter para ficar o mais próximo possível da sua origem. Porém, a cerveja Pilsen ao mesmo tempo que é muito simples de se fazer, também é muito fácil de se errar, e por sua delicadeza qualquer erro reflete no final.

CdM - Se você fosse o legislador, o que alterava nas leis brasileiras por forma a melhorar a capacidade concorrencial das microcervejarias?

Bamberg - Eu acho este assunto extremamente delicado, pois não é sadio para o mercado de qualquer país ter poucas marcas que o dominam. Acho que o principal era quebrar esta hegemonia: isto poderia ser quebrado não de forma arbitraria e impondo leis mas dando condições da pequena empresa crescer. Hoje é impossível você conseguir crescer com uma quantidade tão alta de impostos como é a nossa e legislações ultrapassadas na área trabalhista. Acho até que estas mudanças não vão favorecer apenas microcervejarias, mas todas as empresas de todos os setores da economia. Todo mundo reclama de imposto e ao invés de diminuir eles continuam aumentando.

CdM - Seus desejos e planos para o futuro da Cervejaria Bamberg?

Bamberg - O nosso objetivo é fazer que a Bamberg se torne uma cerveja conhecida mundialmente pela sua qualidade. Nós não temos a intenção de ser a maior cervejaria do Brasil, mas quem sabe um dia ser reconhecida como uma das melhores do mundo. Sei que ainda falta muito para isso, estamos apenas começando, mas diariamente trabalhamos para atingir este objetivo.

Para saberem mais sobre a Micro Cervejaria Bamberg, podem ir ao site da companhia clicando aqui.

Há ainda que destacar o primeiro lugar obtido pela Bamberg Pilsen numa recente prova de degustação realizada pelo caderno Paladar do jornal Estadão, onde concorreu com algumas das melhores cervejas do Brasil e no qual o excelente júri decidiu reconhecer a qualidade do produto da Bamberg. Os nossos parabéns!!! Fica aí a matéria do Estadão em formato pdf:

 

Eis uma imagem da bonita cidade de Bamberg, localizada no estado da Baviera, Alemanha.

Google