links favoritos

 

 

Consultório Cervejas do mundo

Muitos dos nossos visitantes entram em contacto connosco com o objectivo de verem esclarecidas dúvidas sobre determinados assuntos que, por um lado, ainda não foram tratados pelo nosso site ou que, por outro, foram suscitadas ao lerem textos aqui publicados. De facto, é praticamente impossível abordar todos os temas que possam estar relacionados com cerveja, ao mesmo tempo que se compreende que seja inviável abranger todas as perspectivas e pormenores de um determinado assunto aqui tratado.

Por conseguinte, é com alguma frequência que recebemos mensagens de visitantes procurando respostas para questões relacionadas com cerveja. Não sendo possível responder a todas, não só pelo número mas também pelo desconhecimento da realidade a que essa pergunta alude (por exemplo, qual a cerveja estrangeira mais vendida em Tocantins), tentamos sempre ajudar e partilhar aquilo que sabemos com todos aqueles que mostram curiosidade e interesse pelo mundo cervejeiro.

Este espaço serve para, em conjunto com a rubrica "Perguntas Frequentes", esclarecer as dúvidas que surgem aos nossos visitantes. Aqui estarão respondidas algumas das questões que nos colocam por email, facto para o qual muito contribuiram alguns membros do Fórum Cervejas Do Mundo que sempre têm uma palavra ou uma sugestão para clarificar qualquer dúvida que possa surgir. Caso queira colocar-nos alguma questão, poderá fazê-lo para o email do site ou inscrevendo-se no fórum.

"Quero saber um pouco da história das vintage, eles devem ser muito especiais, pois tem até indicação de safra, como a Deus Brut ou a Gran Cru Bruocsela. Nunca as experimentei, e aqui no Brasil elas custam muito caro de 40 € a 100 €. Elas são do tipo perlage? Como são produzidas, se com cevada e lúpulo ou com trigo? Mais uma vez lhe parabenizo pelo site. Como nós falamos aqui no Brasil, é de dar água na boca." - Enviada por Paulo de São Paulo, Brasil.

Caro Paulo,
as duas cervejas que você mencionou são, de facto, muito boas para guardar num boa adega, à espera que envelheçam condignamente, na esperança de arranjar uma boa desculpa ou uma ocasião especial para as experimentar.
No entanto, pertencem a estilos bem distintos, já que a DeuS é quase uma Strong Ale ao estilo belga, mas com uns tiques especiais (já que é elaborada próximo do estilo champanhês, com a garrafa invertida, liberação da levedura e novo enrolhamento), enquanto que a Cantillon Bruocsella é uma Lambic-Unblended, ou seja, uma lambic sem misturas, por contraponto às lambic-gueuze, onde se misturam lambics novas e velhas.
Pessoalmente, sou um grande apreciador da Cantillon mas já não tanto da DeuS. Esta última tem uma garrafa muito bonita, é de facto um produto diferente (pode-se mesmo considerá-la criadora de um estilo de cerveja: a bière de champagne) mas parece-me ter mais fama do que qualidade e é muito cara! É uma opinião pessoal, claro! Já a Cantilon considero fabulosa! Aliás, fica ao nível de quase todos os produtos desta pequena cervejeira belga, que faz cervejas de grande qualidade.
Voltando à questão das vintage ale, pode-se dizer que é uma designação muito genérica pois qualquer cerveja que tenha capacidade de envelhecimento se pode tornar numa vintage ale. É claro que se tiver forte teor de álcool, ou de lúpulo, ou de ambas as coisas, a longevidade é mais segura.
De facto, esta tradição de guardar cervejas data já de tempos ancestrais. Por exemplo, quando os holandeses e ingleses lutavam pela supremacia marítima, durante os séculos XVI e XVII, fazia-se uma cerveja bem forte em álcool capaz de suportar os longos períodos em alto mar. Designava-se essa cerveja por "provision beer", nome que ainda hoje é utilizado por certas cervejarias. Temos, como exemplo, a excelente Liefmans Goudenband Provision Beer, uma cerveja com 8% ABV e capaz de ficar numa boa adega a envelhecer durante alguns anos.
Há também o caso de uma cerveja que só é produzida uma vez por ano, no dia 6 de Dezembro, e que, quando bebida nova, pode tornar-se desagradável, dado o forte carácter a álcool e sabor muito adocicado. No entanto, após alguns anos a envelhecer, torna-se num néctar dos deuses. Trata-se da Samichlaus Bier, uma cerveja com 14% de volume alcoólico, produzida pela austríaca Schloss Eggenberg mas que já foi feita na Suiça pela Hurlimann. Uma cerveja com tudo, ao género de uma Doppelbock.
Devo, no entanto, alertá-lo para o facto de quase todas as cervejas, em especial as Lager, serem feitas para que o seu consumo se processe num curto espaço de tempo. Como diz um dos maiores gurus de cerveja, o "Beer Hunter" Michael Jackson: "se você gosta de cerveja, faça-lhe um favor e bebe-a enquanto ela é nova. A cerveja não foi feita para envelhecer". Se quase tudo o que é dito nesta frase é verdade, também não é mentira que existem cervejas que podem melhorar com o decorrer do tempo, em especial aquelas cervejas fortes como as Winter Ale, as Trapistas (Orval, Rochefort, Chimay, Westvleteren, etc), as Barley Wine e algumas Stout (principalmente as Imperial Stout). Outro factor importante para o correcto envelhecimento de uma cerveja é o local onde a guardamos e a forma como a garrafa é manuseada. Ela deve ser armazenada num local seco e escuro, com temperaturas a rondar os 12-14 graus, temperaturas indicadas para as leveduras vivas que ainda existam na garrafa (sim, porque a maior parte destas cervejas sofre uma segunda fermentação em garrafa). Todo o cuidado a manuseá-las é pouco.
Como pode ver, há muitos estilos diferentes de cerveja que se podem tornar em vintage ales. Respondendo a uma parte da sua pergunta, o malte de cevada e lúpulo entram sempre na sua composição. As cervejas de trigo, sejam elas do estilo American Wheat, Weizen alemãs ou Witbiers belgas são cervejas para serem consumidas enquanto a bebida é nova. Não dá para guardar. Algumas Ales têm trigo na sua composição, pois é um ingrediente que ajuda na beleza e estabilidade da espuma mas é sempre numa percentagem reduzida da totalidade de cereal utilizado.
Bom, acho que acabei por me alongar e nem sei bem se respondi às suas dúvidas. Se no entanto precisar de mais algum esclarecimento, não hesite em nos contactar. Para acabar, deixo-lhe apenas uma lista de cervejas que costumam envelhecer bastante bem: Sierra Nevada Bigfoot, Bell's Expedition Stout, New Belgium Abbey Grand Cru, Boon Gueuze, Chimay Grand Reserve, Dogfish Head Immort Ale, Gale's Old Ale, Samuel Adams Triple Bock.

Desculpe mas vou-te perguntar mais duas coisas. Quando estamos degustando uma cerveja, é interessante analisar vários aspectos da mesma, tais como a cor, a espuma, o aroma, o sabor e esses itens eu já aprendi um pouco. Queria saber o que devemos analisar quanto ao brilho e o corpo.
Se puderes me informar ficarei muito agradecido.
- Enviada por Paulo de São Paulo, Brasil.

Caro Paulo, mais uma vez, tudo depende do estilo que se esteja a degustar! Por exemplo, as Bohemian Pilsner (ex: Pilsner Urquell) ou as German Classic Pilsener (Spaten, Bitburger, Warsteiner) são obrigatoriamente límpidas e de corpo muito leve. É característico do estilo e é assim que devem ser.
Já uma Hefe-Weizen ou uma Witbier são naturalmente turvas, apesar de, em termos de corpo, também serem bastante leves. É quase ridículo encontrar uma cerveja de trigo que não seja turva. Muitas cervejeiras, com medo que seus clientes não gostem de uma cerveja com esse aspecto, filtram-nas para ficarem claras e límpidas. Mas isso é um erro! Sempre que participo numa prova de avalização de cervejas, tenho a preocupação de ver se o que estou a beber se adequa ao estilo. Portanto, o importante é conhecermos as características de cada estilo.
Vou-lhe enviar um ficheiro em anexo a este texto, que você pode abrir à confiança pois não tem vírus (é um ficheiro em Microsoft Word) e que retrata cada estilo de cerveja e como ele deve ser. Faz parte de um curso para certificar juízes cervejeiros e é reconhecido internacionalmente.

Olá!
Gostaria de esclarecer uma dúvida: a espuma da cerveja faz crescer a barriga como dizem? Pois falam por aí que a cerveja em si não faz com que a barriga cresça e sim a sua espuma. É verdade?
- Enviada por Erivaldo, Brasil.

Prezado Erivaldo,
a espuma é um elemento muito importante numa cerveja. Ela não serve só para dar bom aspecto mas contribui e muito para a qualidade da bebida. De facto, a espuma evita que o gás presente na cerveja se solte no ar com maior facilidade como também, em sentido inverso, impede que o oxigénio presente no ar entre facilmente na cerveja, o que poderia provocar a sua oxidação e consequente perda de qualidade, sabor, etc.
Portanto, em relação à espuma pode esquecer o assunto. O gás presente na cerveja é que pode, momentaneamente, criar uma sensação de enfartamento, de estômago cheio, mas isso é uma situação momentânea e que em nada influencia a criação da barriguinha.
Então o que pode ajudar a formar a "barriga de cerveja"? Tudo tem a ver com os complexos efeitos que o álcool tem no metabolismo do nosso organismo. O problema é que o álcool reduz a quantidade de gordura que o nosso corpo "queima" para utilizar como energia. Como é que isso acontece? Uma parte do álcool que nós consumimos é convertida em gordura. No entanto, a grande maioria do álcool é convertida pelo fígado em acetato. O acetato é então libertado na corrente sanguínea e substitui as gorduras como energia para o nosso corpo.
Se a isto tudo juntarmos o alto teor calórico do álcool, facilmente está encontrado o suspeito: o álcool e não a espuma ou o gás! Mas porque é que as pessoas que bebem cerveja tendem a ter uma barriga maior do que aquelas que bebem, por exemplo, vinho? Como você sabe, basta beber dois ou três copos de vinho e uma pessoa fica satisfeita. Com cerveja isso raramente acontece. As pessoas tendem a beber litros e litros de chope e cerveja. É barata, fresca e sabe bem. Neste caso, a cerveja só pode ser culpada se for ingerida em quantidades muito elevadas.

Sempre tive uma curiosidade científica: O alumínio considerado tóxico (estudos com panelas de alumínio como metal pesado) pode interferir na cerveja ?
Por exemplo: Eu percebo diferença no gosto da cerveja em lata e engarrafada. Pode ser psicológico, mas escutando amigos ouço relatos de dores de cabeça, ressaca quando tomadas na forma enlatada. Haveria portanto reação química entre o alumínio da lata e o álcool ? Deve haver uma diferença.
- Enviada por Hudson, Brasil.

Prezado Hudson,
actualmente, com a tecnologia que está ao dispor das grandes empresas cervejeiras, já não se pode falar na existência de uma grande diferença entre cervejas que vêm em lata ou em garrafa. Não só as latas em si evoluiram muito, com novos tratamentos ao alumínio que permitem que o sabor metálico não passe para a bebida, como também as próprias garrafas tambem evoluiram, já que o vidro tem mais qualidade, evitando que a luz entre com facilidade e estrague a cerveja.
Mas vamos por partes. Eu, pessoalmente, bebo sempre cerveja de garrafa. Tal tem uma justificação simples: faço colecção de garrafas de cerveja pelo que, como é óbvio, prefiro beber o conteúdo e guardar a garrafa, ao invés de deitar a lata fora. As garrafas de cerveja tiveram uma grande evolução ao longo dos anos, com novos tratamentos ao vidro que lhes permite proteger o líquido dos "ataques" da luz que podem estragar a cerveja. É por isso que o vidro tende a ser escuro, verde ou castanho e, por outro lado, é habitual associar garrafas de cerveja brancas (transparentes) a produtos com pouca qualidade e que se deterioram com alguma facilidade (tipo Corona).
Já as latas têm a vantagem de não sofrer com a acção da luz e são de fácil transporte, para além de não quebrarem. No entanto, há alguns anos atrás, facilmente se detectava aquele sabor metálico numa cerveja que viesse em lata. Contudo, novos tratamentos ao alumínio diminuiram esse mal e, hoje em dia, é quase impossível diferenciar uma cerveja que venha em lata ou em garrafa. Aliás, nos EUA há uma nova tendência que é a de lançar garrafas de cerveja que, em vez de ser de vidro, são em alumínio. Muitas delas têm desenhos ou brilham à noite, no escuro. É uma jogada comercial e de marketing. Como pode ver, as empresas não apostariam em garrafas de alumínio se soubessem que este poderia dar um sabor desagradável à cerveja.
No entanto, continua a haver uma ideia negativa em relação às cerveja de lata. Tal tem um pouco a ver com a tradição. As cervejas de lata lembram a produção massificada, um produto industrial, enquanto uma cerveja de garrafa tem aquele carisma e lembra o passado. É facil imaginar os monges a fazer cerveja nas suas abadias e a engarrafar o produto. Já não conseguimos imaginar os monges a enlatar cerveja, não é?
Isto não quer dizer que todas as latas não dêm sabor à cerveja. Há ainda algumas indústrias, poucas, diga-se, que usam latas muito baratas e que, por sua vez, têm falta de qualidade e estragam o sabor à cerveja. Mas são cada vez mais uma minoria.
Faça um teste. Peça a um seu amigo para lhe servir duas cervejas da mesma marca mas em que uma seja em lata e outra de garrafa. Ele que sirva sem você ver qual veio da garrafa e qual veio da lata. Veja depois se você consegue adivinhar qual a origem de cada uma. Faça isto 3 ou 4 vezes para ver se consegue sempre adivinhar ou se, como eu acho, acaba chegando à conclusão que é muito difícil perceber qual a cerveja que vinha na lata e qual vinha em garrafa.

Onde posso encontrar estas cervejas de Natal que estão na vossa página inicial? Grato. - Enviada por Marcos, Brasil.

Prezado Marcos,
infelizmente, as cervejas de Natal só são produzidas em determinados países, onde existe uma grande tradição cervejeira, o que não acontece, por exemplo, com o Brasil ou Portugal.
O país de origem das cervejas de Natal é a Bélgica, apesar de também se produzirem excelentes exemplares nos EUA, Alemanha, França e Canadá. No Brasil, como a cerveja preferida é a loirinha do género pilsen, as produtoras evitam fazer estas cervejas fortes e escuras, mais apropriadas para climas frios. Dentro do género, a cerveja que mais se aproxima é a Baden-Baden Celebration Inverno, elaborada em Campos do Jordão - SP, uma cerveja sazonal de edição limitada e com grau alcoólico de 8,2%. No entanto, esta cerveja é mais uma Winterbock do que propriamente uma Xmas Ale, que é feita de propósito para o período natalício.
Para comprar penso que só mesmo importando, o que pode sair muito caro. Há uma boa loja belga online em http://www.belgianshop.com que envia para todo o mundo. É cara.

Olá,
meu nome é Juliana e entrei no site pois estou fazendo uma pesquisa para a faculdade. Gostaria de saber qual a diferença entre as cervejas premium e as outras? O que faz um cerveja ser premium? Essa resposta é de extrema importância. Aguardo reposta. Obrigada.
- Enviada por Juliana, Brasil.

Prezada Juliana,
o actual conceito de "Premium Beer" não passa de um bocado de publicidade deitado ao acaso pelas cervejeiras e pelos marketeers para, por vezes, cobrarem um pouco mais de dinheiro por um determinado produto.
Mas nem sempre foi assim. Nos anos 60 e 70 a designação Premium Beer aplicava-se a cervejas que, para além de mais caras tinham, em geral, mais álcool que a cerveja que lhe serviu de base (digamos, a cerveja "normal"). Tal resultava da inexistência de microcervejarias e da falta de concorrência, o que levava as majors a criarem produtos ligeiramente diferentes daqueles que tinham no seu portefolio, com o intuito de agradar a uma pequena minoria.
Essa situação alterou-se no início da década de 80, com o surgimento de inúmeras pequenas empresas cervejeiras um pouco por todo o mundo. Essas companhias criavam excelentes produtos, mais caros do que as cervejas "comerciais" mas com uma qualidade muito superior. Tal atraiu os clientes do nicho de mercado a quem as Premium se destinavam pelo que este conceito acabou por deixar de fazer sentido.
Deste modo, muitas cervejas antigamante definidas como "normais" passaram a ser Premium, enquantos algumas que se chamavam Premium viram o seu título alterado para Super Premium. Ou seja, o nome vai mudando e a cerveja vai-se mantendo pelo que se pode perceber que Premium na actualidade representa muito pouco. Os produtos com qualidade não precisam destas expressões para se publicitarem. Basta a excelência do seu conteúdo. Entre as melhores cervejas do mundo não há nenhuma que se auto-denomine de Premium.

Olá...eu tenho uma freezer e comprei 50 caixas de cerveja...não vendi todas e deixei-as dentro da freezer descongelando juntamente com a freezer sem ter contato com ambiente exterior. A pergunta é: elas vão chocar ou o fato de desgelarem sem ter contato com o exterior e sem haver choque térmico faz com que elas nao choquem?  - Enviada por André, Brasil.

Prezado André,
É natural que o processo de congelação altere as características da cerveja. Uma cerveja é um produto muito instável, cheio de "coisas" instáveis, como CO2 dissolvido, óleos de lúpulo, proteínas, lípidos, etc...
Congelar cerveja é uma péssima ideia, o ideal é guardá-la sempre a uma temperatura constante de uns 10ºC, nem muito quente nem muito frio, mas de qualquer forma, as cervejas não foram feitas para serem guardadas!
Provavelmente, a sua cerveja não estará estragada ou intragável, mas é possível que tenha perdido algum aroma, sabor e mesmo gás. O melhor é mesmo abrir uma e ver como ficou!

Prezados Senhores: EXISTE Cerveja SEM GLÚTEN para celíacos? Onde? - Enviada por Donato, Brasil.

Prezado Donato,
sim, existe cerveja sem glúten indicada para doentes celíacos. Com o crescente aumento de pessoas com intolerância ao glúten (só nos Estados Unidos são 2 milhões), as empresas passaram a olhar para essa fatia de mercado com interesse. É claro que sendo a cevada ou o trigo elementos essenciais para a produção de uma cerveja, tinham que se encontrar outros cereais amigos dos celíacos. É aí que surgem o sorgo e o trigo-mourisco. As cervejas sem glúten baseiam-se essencialmente nestes cereais e já há produtos no mercado com excelente sabor e qualidade. É claro que qualquer pessoa com esta condição deve consultar o seu nutricionista antes de começar a beber estes produtos mas, no geral, são muito bem tolerados.
Infelizmente, a "moda" das cervejas sem glúten ainda não chegou ao Brasil, pelo menos a um nível comercial. Não tenho conhecimento que a AMBEV, a FEMSA ou a Schin produzam cervejas deste género. Todavia, nos EUA e na Grã-Bretanha já é possível comprar esses produtos. Aliás, a Anheuser-Busch, a maior cervejeira dos Estados Unidos e uma das maiores do mundo já produz uma cerveja sem glúten. No Brasil só mesmo recorrendo à importação ou procurando em lojas macrobióticas ou restaurantes vegetarianos. Mas é complicado... Tente contactar alguém da ALCEBRA (Associação dos Celíacos do Brasil), talvez eles conheçam alguma loja onde você possa comprar este tipo de cervejas. O site deles é: http://www.acelbra.org.br/2004/index.php
Deixo-lhe em seguida uma lista de cervejeiras que produzem cervejas sem glúten, algumas das quais vendem os seus produtos online. Quem sabe você não consegue importar algumas caixas a um preço acessível!

O'Brien Brewing http://www.gfbeer.com.au
Bard's Tale Beer http://www.bardsbeer.com
Ramapo Valley Brewery http://ramapovalleybrewery.com
New France Beer http://www.lesbieresnouvellefrance.com/index.php?lg=en
Green's http://www.glutenfreebeers.co.uk/
BiAglut http://www.biaglut.com/ITA/Prodotti/Birra/default.htm
Nick Stafford's Hambleton Ales http://www.hambletonales.co.uk/
Fine Ale Club http://www.ale4home.co.uk/fine_ale_club.htm
Anheuser-Busch http://www.anheuser-busch.com/
Mongozo Beers http://www.mongozo.org/engels/main.php
Sprecher Brewery http://www.sprecherbrewery.com/index.php
Silly Yak http://www.sillyyak.com.au/beer/faq.html
Schlafly http://www.schlafly.com/

Se precisar de mais alguma ajuda não hesite em nos contactar.

Será possivel efectuar a congelação de copos para imperial em termos legais? - Enviada por Susana, Portugal.

Boa tarde,
sinceramente não tenho um conhecimento específico da legislação que regulamenta tal assunto. Mas, salvo erro, arrefecer os copos no congelador (prática muito observada por todo o país), vai contra as normas de higiene e segurança recomendadas pelas autoridades competentes. Como tal, presumo que quem o faça possa ser multado mas como a fiscalização é diminuta ou mesmo inexistente, os comerciantes continuam a utilizar este método.
É de ressalvar que, do ponto de vista meramente cervejeiro, tal prática é profundamente negativa e só irá contribuir para uma perda de qualidade da cerveja. A cerveja não deve ser bebida a temperaturas muito baixas e, para além do mais, os cristais de gelo irão adicionar água à bebida, ou seja, vão diluí-la.
Lamento não poder ajudar mais mas, como referi, desconheço o decreto-lei que regulamenta tal matéria.

Ola!!
estava visitando seu site, e gostei muito do que vi!! No momento sou estudante de química, e estou muito interessado em ingressar no ramo de cervejaria, após formado. Gostaria de saber, uma opinião sua, sobre qual seria a melhor forma deu estar me especializando nessa área, quem sabe até me tornar um mestre cervejeiro. Aguardo resposta. Grato.
- Enviada por Tarsis, Brasil.

Prezado Tarsis,
é sempre com muito prazer que vejo mais um pessoa ingressando no ramo cervejeiro. De facto, a cerveja é um produto de grande futuro, com um crescimento constante no mercado mundial e que pode trazer uma carreira de grande sucesso a quem optar por esse caminho.
Apesar de não ser necessário, já que muitos mestre-cervejeiros actuais não têm curso nenhum, ter noções de química ou, preferivelmente, um curso nessa área, é muito importante para se perceber todos os mecanismos da fermentação e muitos outros aspectos associados à produção de cerveja. Portanto e em primeira análise, acho que você se deve focar na conclusão do seu curso. Aliás, caso seja obrigatório desenvolver algum trabalho final ou uma tese, porque não fazer um trabalho sobre um determinado aspecto das cervejas?
Entretanto, aconselho-o a dar uma vista de olhos pela literatura existente sober cerveja, nomeadamente a que concerne ao aspecto produtivo e, quando se sentir preparado, iniciar-se na produção de cerveja caseira. O investimento inicial não é muito grande e com um mínimo de equipamento e ingredientes pode já ir fazendo a sua própria cerveja em casa. Isso o ajudará muito a perceber os defeitos que possam surgir, porquê aconteceram, o que pode melhorar, etc, etc.
Ao mesmo tempo e se tiver um tempinho na época das férias, tente contactar alguma empresa cervejeira que tenha uma fábrica na sua área de residência. Quem sabe você não consegue um estágio de algumas semanas nela?
Finalmente, tente orientar o seu curso e as suas pesquisas para que, no final, o seu estágio seja feito numa empresa cervejeira. Está provado que muitos dos actuais quadros dessas companhias se iniciaram com trainees e, depois de demonstrada a sua qualidade e interesse na matéria, acabaram por ficar.
Espero que você mantenha esse interesse pela nobre bebida que é a cerveja.

Gostaria de saber sobre a cerveja Labbat Blue. Obrigada. - Enviada por Bruna, Brasil.

Prezada Bruna,
a Labatt Blue é uma cerveja da companhia Labatt Brewing Company Ltd., a maior empresa cervejeira do Canadá. Fundada por John Labatt em 1847, a empresa manteve-se independente até 1991, altura em que foi adquirida pela belga Interbrew, a actual Inbev, que também é dona da Ambev (Skol, Brahma, Antarctica, etc).
A Labatt Blue teve origem em 1951, quando a companhia lançou a sua Pilsener lager, uma cerveja que rapidamente ganhou a alcunha de blue devido ao seu rótulo azul e também por a cervejeira apoiar a equipa da Liga de Futebol canadiana de Winnipeg, os Blue Bombers. O nome teve sucesso assim com a cerveja, que em 1971 já liderava as vendas no Canadá.
Actualmente, a Labatt Blue é a cerveja canadiana mais vendida em todo o mundo. Fazendo parte do Grupo Inbev e, logicamente da Ambev, poderia ser distribuida no Brasil mas tal não acontece. De facto, a Ambev afirma que tem outros produtos para o mesmo segmento onde essa cerveja se insere pelo que não teria lógica distribui-la no país.
A Labatt Blue é uma cerveja leve, do tipo pilsen, com 5,0% de volume alcoólico e produzida com os seguintes ingredientes: água, malte, cereais não malteados, carboidratos e lúpulo. Contém glúten.
Espero tê-la ajudado.

Olá, tenho uma pergunta a respeito da temperatura em que deve ser servida a cerveja. Quanto maior for a temperatura em que for servida a cerveja, maior será desprendimento do gás carbônico obtido pela fermentação? Se a resposta for positiva, qual é a melhor temperatura para melhor apreciar o sabor de uma cerveja e ter um menor desprendimento do gás carbônico. Muito obrigado pela criação do site. - Enviada por Júlio, Brasil.

Prezado Julio,
nós é que agradecemos a sua visita e interesse pelo site.
Relativamente à sua pergunta e como em tudo o que respeita à cerveja, nada é muito científico e tudo depende do gosto das pessoas. Há pessoas que gostam de cerveja com muito gás outras com pouco. Há também estilos de cerveja que têm naturalmente mais gás do que outros.
No que concerne à temperatura, a sua suposição está correcta. De facto, quando a temperatura sobe, as moléculas de gás movem-se mais depressa, atingindo as paredes do copo e o topo da cerveja (neste caso a espuma) com maior velocidade e, deste modo, desprendendo-se mais depressa do líquido. À medida que a cerveja vai arrefecendo, passa-se precisamente o inverso. Pode-se pois concluir que quanto mais fria estiver a cerveja, mais gás carbónico se manterá na solução. É claro que nós também não queremos a nossa cerveja muito fria pois, como saberá, tal impede que as nossas papilas gustativas e olfacto detectem de forma mais apurada os aromas e sabores da cerveja. Ou seja, no meio é que está a virtude!
Espero ter esclarecido sua dúvida. Caso ela subsista ou queira perguntar outra coisa, não hesite em nos contactar.

Ola! Se possível, gostaria de saber que tipo de problema o diacetil pode causar na fabricação da cerveja?
Um abraço!
- Enviada por Marilene, Brasil.

Prezada Marilene,
O teor de diacetil é uma medida de como a fermentação correu. Se a sua redução correr bem, em principio não houve problemas, já o contrário normalmente indica problemas com a levedura.
Em si, o diacetil origina uma sabor a manteiga rançosa na cerveja e a biscoito. Algumas cervejas tem carácter a diacetil (as stouts, as ales, e as cervejas pretas p.e.), mas numa lager é inadmíssivel.
Há muito para dizer sobre este assunto, e milhares de sites na net que abordam o tema, mas realço que é das coisas mais importantes para um cervejeiro profissional, olhar para uma curva de redução de diacetil e perceber quando a cerveja está "maturada" e pronta para o enchimento.
Um link simples mas que explica muito bem esse efeito é:

http://www.byo.com/mrwizard/871.html

A propósito, quero montar uma turma aqui em Brasília para um curso de cervejas artesanais, você teria como indicar alguém que poderia vir ministrar esse curso? Grata. - Enviada por Ariana, Brasil.

Oi Ariana,

há várias entidades que ministram cursos mas raramente se deslocam aos locais. Geralmente é o pessoal que se tem de deslocar até às instalações deles. Mas tente contactar as empresas e quem sabe alguém se diponibiliza. Vou-lhe deixar alguns links. Veja se lhe interessam:

http://www.confrariadomarques.com.br/cursos.html
http://www.cervesia.com.br/palestras_cursos_treinamentos.asp
http://www.cervejando.com/curso-de-cerveja.htm
http://www.cervejaartesanal.com.br/pratica.htm
http://www.alquimiadacerveja.com.br/cursos.html

Bom dia!
Quero fazer uma cesta com pelo menos uns 15 tipos de cervejas de paises diferentes, porém em lata. Gostaria de saber onde comprar com um preço não muito caro. Moro na cidade de São Paulo. Aguardo seu retorno. Muito obrigada. -
Enviada por Paula, Brasil.

Prezada Paula,

acho muito interessante essa sua ideia de oferecer uma cesta com diversas marcas de cerveja. O problema está mesmo no facto de querer oferecer em lata. É que no Brasil, a maior parte das cervejas importadas vêm mesmo é em garrafa. Não só por uma questão de prestígio, já que a ideia de garrafa está associada a cervejas de qualidade (ao contrário das cervejas em lata que geralmente são conotadas com produtos mais baratos) mas também porque muitas dessas marcas não exportam os seus produtos em lata, pois estes destinam-se a uma fatia de mercado premium, logo com poder de compra, logo sem querer a sua cerveja em lata...

Parece-me que a forma mais prática de comprar os produtos que procura será consultando o portefolio das diversas empresas que vendem bebidas online, nomeadamente cerveja. Visite os links abaixo e espero que consiga encontrar o que procura.

http://www.nonobier.com.br
http://www.cervejasnet.com.br/
http://www.imigrantesbebidas.com.br/
http://www.costibebidas.com.br/
http://www.newnessbebidas.com.br/

Prezados senhores
Beber cerveja todos os dias faz mal a saúde ou é diurética? Quantas cervejas no máximo posso beber por dia para não prejudicar a saúde. Adoro Cerveja!

Prezado Carlos,

estudos científicos comprovam que a cerveja faz bem à saúde. Mas, tal como muitas outras coisas que também fazem bem ao nosso organismo, o excesso pode ser prejudicial. Portanto, numa óptica de manter uma alimentação saudável, não é recomendado consumir mais de duas garrafas/latas de 330/350 ml por dia. Tudo o que seja para além desse valor já não vai trazer benefícios ao nosso corpo, sendo que o álcool em excesso pode ser mesmo muito prejudicial.

A cerveja, desde que consumida moderadamente, pode trazer muitos benefícios. Senão veja: tem vitaminas (vitaminas do grupo B, como por exemplo a niacina, a riboflavina, a piridoxina e os folatos) e antioxidantes provenientes dos cereais utilizados; é uma fonte excecional de água, elemento essencial ao nosso organismo; contém sais minerais importantes onde se pode destacar o potássio e o magnésio; é ainda uma fonte de fibra solúvel, derivada das paredes das células dos grãos de cevada maltada; é fortemente diurética, etc, etc.

A cerveja tem qualidades fantásticas mas o seu consumo deve de ser moderado para não estragar esses benefícios. Portanto, a resposta a sua pergunta é sim, pode beber cervejas todos os dias. Mas se ultrapassar as duas latinhas já vai estando fazendo mal!

Espero ter esclarecido sua dúvida.

Google