links favoritos

 

 

CZECHBEERMAN - REPORTAGEM Nº 5

A produção cervejeira por terras Checas – A Cervejaria Chateau de Oslavany, Rep. Checa

Caros leitores, caros amantes da cerveja,

Eis-me de volta, desta vez novamente ao meu país, mais propriamente ao sul da Morávia. Escondida num antigo castelo da cidade de Oslavany, num local pouco expectável para se instalar uma cervejaria, podemos encontrar a pequena companhia cervejeira Zamecky pivovar Oslavany, algo que se pode traduzir como Cervejaria do Castelo de Oslavany. Um espaço com uma ambiência magnífica para a produção de cerveja! Se à entrada somos saudados por uma bonita placa, já dentro do pátio não se vislumbram minimamente quaisquer sinais da microcervejaria. Resta-nos, portanto, perguntar a alguém que por aí passe a direcção que devemos tomar. Felizmente para nós, estava a passar um gentil senhor, presumivelmente empregado da empresa, que nos apontou para uma das muitas arcadas do pátio do castelo… Dirigimo-nos então a uma sólida porta de madeira para nos fazermos anunciar.

Logo à entrada surge aquele aroma típico e magnífico que indicará a qualquer conhecedor de cerveja o local onde se encontram. Pois, já estamos no interior da Chateau Oslavany. Somos saudados pelo Sr. Petr Zak, o mestre-cervejeiro da companhia, que desde logo nos vai introduzindo à história da cervejaria. De facto, toda e qualquer microcervejaria tem as suas próprias características e o seu próprio espírito. Esta não foge à regra. Mas há uma coisa que se nota desde logo neste espaço: a ordem e a limpeza. Aliás, a limpeza é tão ostensiva que nos perguntamos se será mesmo ali que se produz cerveja. Uma pesquisa mais atenta não consegue detectar qualquer grão de pó ou uma folha de lúpulo. Sigamos em frente. Na “cozinha”, podemos observar o enorme tanque de fervura onde se produz, de cada vez, cerca de 1000 litros da famosa, lendária e quase sagrada bebida que todos nós adoramos. E, se Deus nos der sorte (máxima muito utilizada pelos cervejeiros checos), sairão daqui dois a três lotes por semana.

De acordo com a história contada pelo mestre-cervejeiro, a produção de cerveja no castelo de Oslavany remonta a 1863, apesar desta primeira incursão não ter durado muito. Não sendo eu um historiador, não posso corroborar essa data nem detalhar outras com certeza importantes no desenvolvimento desta cervejaria… Mas o que posso afirmar com mais rigor é que no ano de 2003 a empresa G+C Pacific tomou posse da companhia e que, desde então, se tem vindo a produzir cerveja com regularidade neste espaço. Entretanto, a nossa visita continua, sendo que temos oportunidade de ver o local onde se faz a moagem, assim como os enormes tanques de fermentação das lagers. Boa oportunidade para nos deixarmos de história e meditação e degustarmos um copo da semi-escura Frantisek’s lager 13. As expectativas são altas e a prova não nos defrauda. Em bom rigor, é muito difícil encontrar má cerveja nestas pequenas cervejarias, não é? O luxo de se produzir má cerveja e mesmo assim conseguir vendê-la, à custa de muito dinheiro investido em publicidade, está só ao alcance das grandes multinacionais, cujo lucro é o maior interesse. Mas como me considero um tipo simpático, não vou nomear nenhuma (apesar de me apetecer bastante…)

Divagações à parte, esta cerveja que o mestre-cervejeiro me serviu é realmente bonita: magnífica espuma, cor acobreada, sabor perfeito. Não filtrada, claro! Felizmente que hoje trouxe alguém para levar o carro, o que me dá maior liberdade para degustar estas preciosidades. Ainda antes de ter acabado a primeira caneca, já o mestre-cervejeiro está a servir-me outra, desta vez a lager clara 12. Outra cerveja onde é muito difícil encontrar qualquer pormenor menos agradável. Para além das cervejas mencionadas, a empresa também produz a Light 10 e, ocasionalmente, a Light 15. Estas são as designações mais técnicas, pois os verdadeiros nomes das cervejas têm algo de mágico: Novic, Templar, Komtur… Velmistr. Para mim, e de modo subjectivo, claro, atrevo-me a dizer que a melhor de todas foi a “Franc”. Conquistou-me desde início com aquela cor magnífica!

Uma curiosidade: a figura do Frantisek não é meramente virtual. Ele existe, é um amante de cerveja e vive nas proximidades da cervejaria. A história conta-se em poucas palavras: um dos co-proprietários da companhia conheceu por mero acaso esse Sr. Frantisek e, tendo ambos gostado tanto da conversa e encontrado tantas coisas em comum, nomeadamente o gosto pela cerveja, foi decidido que, daí em diante, a face do Sr. Frantisek Vrbas iria servir de logo aos copos, bases e rótulos das cervejas Oslavany. Uma justa homenagem a um checo simples e patriota.

       

Finalmente, alguns aspectos mais técnicos do assunto. A companhia não produz cerveja engarrafada. Toda a produção se destina essencialmente ao pub da própria cervejaria, que fica localizado a cerca de 25 metros da mesma. Para além deste também alguns outros pubs da vizinhança são abastecidos com a Oslavany. A visita é extremamente interessante, não só à cervejaria como ao próprio castelo, especialmente no período do Verão. História… um castelo… cervejas perfeitas… o que mais se pode pedir? Façam uma visita ao site oficial da companhia em http://pivovar.oslavany.info (infelizmente apenas em checo). Agora as direcções: tenham atenção à saída número 162 se estiverem na auto-estrada D1 vindos de Praga e no sentido de Brno, a capital da Morávia. Esta bonita cidade pode esperar… mas a espuma da Frantisek já não!!

              

Está na altura de finalizar mais uma reportagem. Mas o CzechBeerMan regressará em breve, desta vez com um artigo sobre a Beroun’s Bear Brewery (www.berounskymedved.com). Até à próxima!

Com os melhores cumprimentos,

Libor Vojáček, o CzechBeerMan, CzechBeerMan@seznam.cz

(Repórter cervejeiro e coleccionador, Teplice, República Checa)

http://album.inmail.cz/@my-album (cervejas de todo o mundo que já degustei)

Google