links favoritos

 

 

PODE O ÁLCOOL PREJUDICAR A FERTILIDADE?

Será que o consumo de bebidas alcoólicas poderá influenciar, de alguma maneira, a fertilidade das pessoas? Para aquelas mulheres que engravidaram após uma noite de excessos, nomeadamente a nível alcoólico, a conclusão parece óbvia. Mas não é bem assim: há provas científicas que evidenciam a influência do consumo de álcool na diminuição da fertilidade quer em homens, quer em mulheres.

Comummente, os médicos recomendam que, por regra, as mulheres grávidas ou que estejam a tentar conceber se devem abster de consumir bebidas alcoólicas. Se ainda assim decidirem tomar uma bebida de vez em quando devem-no fazer muito moderadamente e se possível às refeições, por forma a não afectar o bebé. Caso consumam mais de 2 a 3 unidades de bebidas alcoólicas por dia (3 unidades é equivalente a um copo grande de vinho ou um copo tipo pint de uma cerveja forte), especialmente nas primeiras semanas de gravidez, correm o risco do desenvolvimento do feto ser lento e aumentam exponencialmente as possibilidades de ocorrer um aborto espontâneo.

Todavia, o álcool não causa apenas problemas quando a mulher está grávida. Pode, também, tornar uma mulher menos fértil. “Existe uma ligação entre fertilidade e o consumo de bebidas alcoólicas, apesar dessa relação ainda não estar totalmente estabelecida”, refere o Dr. Anthony Rutherford, Presidente da Sociedade Britânica de Fertilidade. “Muitos estudos demonstraram que mesmo que se beba ligeiramente há sempre um qualquer efeito”. Entre eles encontra-se um estudo dinamarquês que relacionava claramente o consumo de bebidas alcoólicas com a diminuição das probabilidades de uma mulher conceber. Outro estudo, no caso realizado em 2009, na Harvard University, com casais que estavam a seguir um programa de fertilização in vitro (IFV), demonstrava taxativamente que as mulheres que bebiam mais de 6 unidades por semana tinham uma probabilidade 18% inferior de conceber, ao passo que os homens eram 14% menos férteis. Acrescenta o Dr. Rutherford: “Pela minha experiência, se um casal tem dificuldades em ter um filho, o facto de reduzir ou deixar mesmo de consumir bebidas alcoólicas pode fazer a diferença entre a mulher ficar ou não grávida. Eu aconselho qualquer casal que esteja a ter dificuldades – ou mesmo que esteja apenas a pensar em ter um filho – a considerar seriamente uma diminuição drástica do consumo de bebidas alcoólicas".

Deve-se ainda referir que não é apenas a fertilidade feminina que é afectada pelo consumo de álcool. Como refere o Dr. Patrick O'Brien, porta-voz do Royal College of Obstetricians and Gynaecologists: “O consumo excessivo de álcool reduz os níveis de testosterona e a qualidade e quantidade do esperma no homem. Pode também reduzir a libido e em casos extremos causar impotência. Se um homem exagerar no consumo de bebidas alcoólicas pode estar a colocar em risco a capacidade do casal em conseguir ter filhos. Contudo, se se reduzir o consumo, essa situação pode ser rapidamente revertida. Por conseguinte, recomendo que os homens se mantenham estritamente dentro dos padrões definidos (o que quer dizer um máximo de 3 a 4 unidades por dia) se, de facto, quiserem fazer um esforço para serem pais”.

Deirdre Armstrong trabalha como conselheira na Natural Fertility Clinic de Edimburgo, Escócia, um organismo que procura ajudar os casais com o recurso a métodos naturais, como a acupunctura, as ervas medicinais ou melhores hábitos alimentares. O impacto do álcool na fertilidade masculina é algo com que ela lida diariamente. Na sua opinião “O álcool é um inimigo claro dos homens que desejam ter filhos. Recentemente, fomos procurados por um jovem casal. Retirámos uma amostra de esperma do homem e outra três meses depois. Logo após a primeira recolha o par casou-se e as semanas seguintes foram quase de festa ininterrupta, com a lua-de-mel e muitos litros de álcool. Quando comparámos as duas amostras ficámos chocados com a diminuição da qualidade do esperma que a segunda recolha apresentava”.

Um estilo de vida saudável é pois um elemento chave para que a fertilidade, quer nas mulheres, quer nos homens, esteja no seu auge. Isso inclui uma boa alimentação, exercício regular e peso equilibrado. E, claro, consumir bebidas alcoólicas dentro de certos limites, isto é, 3 a 4 unidades diárias para os homens e 2 a 3 unidades diárias para as mulheres. Obviamente que a abstinência total é preferível. Há mesmo algumas companhias cervejeiras que adicionam o desenho abaixo aos seus rótulos, desaconselhando as mulheres grávidas a beber.

Bibliografia:

  1. NICE, Antenatal care: Routine care for the healthy pregnant woman, http://www.nice.org.uk/nicemedia/pdf/CG062NICEguideline.pdf

  2. T Koldjensen, NHI Hjollund, TB Henriksen, T Scheike, H Kolstad, A Giwercman, E Ernst, JP Bonde, NE Skakkebaek & J Olsen, “Does moderate alcohol consumption affect fertility? Follow up study among couples planning first pregnancy”, BMJ 1998; 317:505-510, http://www.bmj.com/cgi/content/abstract/317/7157/505

  3. http://news.harvard.edu/gazette/story/2009/10/alcohol-hinders-having-a-baby-through-ivf-couples-warned/ 

Publicado a 01/10/2010

Google